segunda-feira, 26 de março de 2012

Primeira vez

Estamos na primeira semana de Lloret e já temos a primeira notícia. Um miúdo morreu depois de cair do 5º andar do hotel onde estava.
Já chegaram a conclusão que ele não queria saltar para a piscina mas ainda não sabem as causas.

Posso estar enganado mas acho que a causa é só uma, é a causa de quase todos os problemas em Lloret, é liberdade que quase todos os adolescentes obtêm pela primeira vez.
Eu também fui para Lloret em 2005 (já foi há tanto tempo..), foi sem dúvida alguma uma das melhores semanas que já tive. Vi por lá muitas pessoas que nunca se viram noutra, não se sabiam controlar nem o que fazer, simplesmente bebiam e fumavam até poder mais, algumas nem do hotel saiam!

Para mim isto não é culpa deles, é culpa de pais super protectores que não os deixam sozinhos nem para irem à casa de um amigo que vive a 20 minutos de distância, não os deixam sair com os amigos ao fim de semana à noite para o café da terrinha, não os deixam ir a uma discoteca no aniversário de alguém. Estes adolescentes não têm sequer oportunidade de aprender e conhecer o mundo sozinhos e com tempo.
Em Lloret ou em qualquer outro sítio do género, sentem-se com tamanha liberdade no meio de tantas coisas novas que perdem-se completamente.

Muitos andam á porrada, outros são violados (atenção, não estou a dizer que a culpa é de quem é violado, nem perto, mas supondo que alguns destes adolescentes não fossem tão verdinhos neste mundo, talvez não tivessem ido por aquele caminho ou não se tivessem metido com aquela pessoa, etc) e outros acabam por ter ainda mais azar.

28 comentários:

Amélie disse...

Quando não o fazem na viagem de finalistas, fazem-no no ano de caloiros. Mas acho que está bem pior que no meu tempo (2006 :P).

Ana disse...

"...é liberdade que quase todos os adolescentes obtêm pela primeira vez."
É triste que este tipo de noticias se estejam a tornar numa rotina nesta altura do ano. Já é algo que as pessoas estão a espera.

L. disse...

Infelizmente, tenho de concordar contigo. Também li a notícia hoje de manhã no metro. Enfim, começa em festa e acaba em tragédia.

S.o.l. disse...

A protecção em excesso tem por vezes consequências muito negativas, seja em que terra for, seja em que idade for... há que tentar não exagerar na dose de protecção nem na de liberdade. Mas lá está... o dificil é achar o equilibrio certo.

Beijo

O mundo de uma sonhadora disse...

Eu para o próximo ano vou. Mas digo: morro de medo de ir.
Morro de medo por causa das bebedeiras,das violações,etc.
Mas felizmente tenho amigos em condições que não querem ir para Lloret para se embebedarem.
Mas mesmo assim...estou muito indecisa se vou ou não :/

Bj

faa disse...

Ora nem mais, podem adiar mas acabam sempre por fazer.
Foste no ano a seguir ao meu.. tiveste azar, estava a chover! No meu estava mesmo bom tempo :)

faa disse...

E ainda agora começou...

faa disse...

Pois, esse é o mal :|

faa disse...

Sim, existem muitos filhos que fazem tudo o que querem e isso também é mau. São os dois extremos.
Antes de proíbir ou deixar fazer qualquer coisa, o mais importante é mostrar o certo e o errado.
Eu pelo menos quase nunca fui proíbido de nada mas sabia quais eram os limites que tinha.

faa disse...

Não acho que tenhas de ter medo.
Aquilo é uma semana de muita diversão e que invariavelmente acaba por ser inesquesivel.
Basta saberes o que queres e ir para lá com uma boa atitude :)
Olha, e se tiveres sorte de estar bom tempo, faz como eu.
Discoteca até as tantas, conversas no hotel até a hora do pequeno almoço e depois praia o dia todo! E tirar umas boas horas de sono lá :P

Maria disse...

Concordo plenamente Faa! Para teres uma ideia, os meus pais na altura não me deixaram ir, aliás, acho que nem me atrevi a pedir isso porque era um bocadinho dispendioso... mas mesmo assim sempre me deixaram sair até essa idade, discoteca, bailes etc. Desde que fosse ajuízada e tirasse boas notas. Não compreendo esses miúdos que vão prai beber como se não existisse amanhã, qual é a lógica?? Ainda por cima temos que ser conscientes que as raparigas ultimamente andam vestidas de uma forma que dá dó não pensar "não me admira nada que seja violada por um bebedo aí a um canto", com os mini mini vestidos que usam e com os saltos altos gigantes, não se espera outra coisa. Olha ainda agora na sic notícias estava a dar a reportagem , Pelos vistos estava sozinho com a namorada no apartamento, a rapariga saiu e sucedeu-se isso. Agora estavam a perguntar ao coordenador do grupo (agência), quantas pessoas tinham em Loret. 70 pessoas para 4000 alunos. Como se nas marcações alguém se preocupasse com isso. Os pais sabiam perfeitamente que não iam adultos... não acho bem a agência ser responsabilizada por aquilo. Senão tinham que arranjar 4000 funcionários também...

Logan disse...

em certa medida concordo contigo mas a maioria de inocente deve ter muito pouco, eles já sabem para o que vão...

faa disse...

A agência em nada tem culpa.
Da mesma maneira que se eu quiser ali a Madrid por exemplo e for a uma agência de viagens arranjar a viagem e hotel, se morrer por lá a agência em nada tem culpa.
Ainda estou para ver que causas é que eles vão apontar.

faa disse...

Não disse que alguém é inocente. Disse que são miúdos que não têm liberdade e quando a têm abusam, não se sabem controlar.

É como ter um cão preso, quando o soltas ele vai correr até não conseguir mais. Se ele já estiver habituado a estar solto, vai fazer tudo com mais moderação.

Su disse...

Acho que tu e eu juntos unimos os dois lados da questão. Por um lado a proteção excessiva dos pais...por outro o excesso de liberdade dada aos filhos(de que falei no meu post). Ambos pecam pelo excesso. É verdade que um meio termo é necessário e cada vez menos visto. De qualquer modo mantenho a minha ideia (de "velha"): não deixaria um filho ir sem supervisão para um lugar conhecido pelos excessos! É que no meio de tanta substância, até o mais responsavel dos filhos pode "tropeçar" e cair de uma varanda, lá do alto do 5º andar...if you know what I mean!

faa disse...

Sim, entendo claro.
Eu como fui a Lloret, sei bem o que aquilo é, se bem que a minha geração e as duas seguintes devem ter sido as últimas boas, a partir daí a criançada ficou cada vez pior.
Não acho que se deva proibir os filhos de ir, eu não proibiria mas claro, tinha de confiar no meu filho e saber do que ele é capaz.

aNa disse...

Eu faço de tuas as minhas palavras, eu sempre tive a liberdade de ir aqui, ali , de experimentar a noite, os meus pais sempre confiaram em mim e dei sempre razões para isso. Não fui a Loret mas imagino a loucura que deve ser para quem "nunca" saiu de casa num liberdade destas e depois faz tudo, mas tudo no exagero. Ora eu vi muitos na faculdade assim, amigas minhas em que os pais não deixavam fazer nada, era estudar e pouco mais e quando se viram numa cidade, com a oportunidade de fazer tudo, o fizeram e pronto, o resto já podes imaginar. :) só tenho pena que essa malta não se saiba divertir, e como disseste nem do hotel saem é beber de noite e ressacar de dia, infelizmente.

faa disse...

Ora nem mais. Foi tal e qual o que se passou comigo.
Os pais podem não deixar, mas a partir do momento em que entram para a faculdade os pais perdem o controlo neles, mentiras atrás de mentiras. No meu caso, nunca menti nada aos meus pais, eles sempre souberam onde estive e o que fiz.

mariana disse...

concordo. este ano eu tive a oportunidade ir a Lloret, mas optei pela viagem a Paris, com a supervisão de profs da minha área, apesar do preço que os meus pais tiveram que pagar (que foi quase o dobro do da viagem para ir a Lloret!).
eles dão-me liberdade para sair, tomar um café e ir à discoteca, porque confim no meu discernimento e desde que tenha boas notas :)

Sweet Hel disse...

Tive de postar no meu, não teria dito melhor!

Joana Laranjinha disse...

A culpa tanto pode ser do excesso como do défice de protecção. Por vezes, o mal não está nos pais, mas na falta de maturidade e inteligência dos filhos. Achar o equilíbrio na forma de dar educação é complicado, criar filhos responsáveis, nos dias de hoje, ainda mais.

Gostei muito deste texto. :)

Desabafos e Encantos disse...

Compreendo com o vosso ponto de vista, mas neste caso eles nem há 24 horas lá estavam quando aconteceu aquilo,ainda não se sabe se o rapaz esteve com álcool ou droga, e também não se sabe a liberdade que o rapaz tinha... Acho que não se deve generalizar! O que aconteceu foi muito grave, triste e traumatizante para os amigos e para a namorada... e pode acontecer com qualquer pessoa, até o mais experiente e ajuizado!

Mary disse...

Eu fui em 2007, um ano antes avisei os meus pais que queria e iria ir. O meu pai disse-me logo que não me pagava a viagem (anos antes tinha falecido um rapaz aqui na zona lá no mar). Eu não fui de meias medidas. Todo o dinheiro que conseguia era para a viagem, trabalhei com a comissão que organizava e ainda consegui um desconto e fui! Voltei de lá inteirinha. Concordo inteiramente contigo, felizmente os meus pais sempre me deixaram ter asas, não totalmente mas podia ir passar fins de semana à terra da amiga X ou da Y e ir ao café da terrinha pelo menos ao fim de semana. Hoje em dia as crianças (e jovens) mal podem dar um espirro e já ficam em casa.. Depois dá-se estas coisas. Aproveitam tudo e mais alguma coisa. E vivem tudo exageradamente. Tenho pena que tenha acontecido.

faa disse...

São escolhas :)
Na tua situação escolheria Lloret porque é muito mais normal visitar Paris noutra altura.
Mas o importante é que te divirtas :D

faa disse...

Obrigado pela referencia :)

faa disse...

Sim é muito complicado. Mas acho que a responsabilidade tem que ser implementada pelos pais. Mas nem todos conseguem mostrar o correcto do errado até porque grande parte dos pais não fazem o correcto no dia a dia.

faa disse...

Acidentes acontecem a qualquer pessoa, disso não há duvidas.
Eu falei disto por causa da polémica que esta noticia causou, mas falei em geral, não neste caso especifico porque também não sei nada sobre as pessoas em causa.

faa disse...

Espero que tenhas gostado :)
Eu acho que só caindo é que se aprende a andar, só dando com a cabeça na parede é que se percebe que o caminho é errado.
Pais que não deixam os filhos perceber muitas coisas sozinhos, não os estão a preparar para o futuro e para quando já não existirem pais.
Também tenho pena...